Ainda sem falar de coisas mirabolantes e super planejadas para criar uma experiência incrível para o público, sabemos que a experiência do participante no geral é a base de uma boa reputação e a máquina criadora de boas memórias e momentos.

A experiência dos participantes tem que ser o principal ponto do planejamento desde o início da idealização de um evento. Para que seja uma experiência inesquecível, em primeiro lugar deve-se atender às expectativas daquelas pessoas que compareceram. Para tanto, você precisa conhecer sua persona intimamente, entender seus desejos e expectativas mínimas para que você possa atender e potencializar isso dentro da sua capacidade. Vale fazer uma análise SWOT para entender as forças, fraquezas, ameaças e oportunidades, tanto do seu evento, quanto em relação as pessoas que você deseja que participe. Isso pode te dar uma visão geral e te mostrar onde melhorar e onde atacar.

Entretanto, há alguns pontos bem seguros e fáceis de inovar: 

·         Revolucione o local: Mesmo que seja um lugar que você já tenha feito vários eventos, dê uma cara nova, apegue-se ao conceito que determinou para o evento e tire do papel, transforme em realidade!

·         Coloque a programação de cabeça para baixo. Faça com que as pessoas vivenciem algo que não estavam esperando, fuja da previsibilidade. Você só deve ter muito cuidado com isso e ter certeza de que está sendo assertivo e agindo dentro do aceitável para o seu público porque está fora de cogitação deixar alguém decepcionado.

·         Estimule as pessoas. Literalmente! Brinque com os sentidos, dê atenção a cada um deles e crie uma experiência 100% imersiva.

·         Ouça para se direcionar. A chave da inovação é entender o público e não há melhor maneira de fazer isso do escutando-o. Ouça as pessoas que você quer impactar, elas podem te dizer coisas muito obvias, mas também te entregar o segredo do sucesso.

·         Baby steps. Vai ser sensacional se você conseguir bancar uma inovação total e revolucionar a experiência do participante do seu evento, mas tudo bem (e inclusive é mais seguro) se você começar aos poucos: entendendo, medindo e aprendendo o que seu público gosta.

Tenha sempre em mente que o evento não é seu, e sim feito por você para alguém. São essas pessoas que você deve ouvir, ir atrás, colher feedback e procurar melhorar a experiência de cada uma delas sempre, com ou sem inovações mirabolantes. Pessoas engajadas são o que há para qualquer negócio, inclusive o seu evento. Por esse motivo, nunca é demais o tempo que se dedica pensando como elas vão se sentir quando estiverem vivenciando-o. Ah, mais uma coisa: a experiência começa muito antes do evento começar e termina muito depois do evento terminar, viu?